Empresário, será que 2022 será um ano bom para a economia paranaense? Leia e entenda!

Blog Aut Curadoria (geraldo) - GR Contábil
Classifique nosso post [type]

O estado deve apresentar leve crescimento; setores como construção civil, agricultura e turismo são os mais promissores

Ano desafiador, mas de recuperação e crescimento em alguns setores. Essa é a previsão de especialistas para a economia do estado e do país para 2022. O avanço da vacinação e a queda nos casos de Covid-19 possibilitam o aquecimento de alguns segmentos, retomando a esperança e movimentando a economia. Mas a inflação ainda deve ser um dos maiores entraves no cenário macro.

Segundo o economista Eduardo André Cosentino, mestre em desenvolvimento econômico, presidente do Conselho Regional de Economia do Paraná (Corecon-PR) e sócio-fundador  do Grupo Aliest (Aliest Capital e Aliest Conexão), tratando especificamente do Paraná, as perspectivas econômicas para 2022 são melhores do que o últimos ano, ainda que desafiadoras.

De acordo com estudos realizados por Cosentino, o estado tende a ter um crescimento em relação a 2020 e 2021. Entretanto, os resultados ainda não vão se igualar aos pré-pandemia de coronavírus. “A nossa tendência aqui no Paraná é começar devagar. Haverá questões políticas de incentivo por parte dos governos federal e estadual.”

O economista afirma que alguns produtivos são apostas de crescimento. Entre eles, o da construção civil, que apresentou recordes. “Neste ano de 2021, houve uma grande elevação e, como é um segmento de produtos de bens duráveis, acredito que o setor deve continuar forte”, avalia.

Outra aposta é na agricultura, uma das atividades mais presentes nas regiões paranaenses, e no turismo. “Teremos uma demanda reprimida de 2020 e 2021 e que será suprida no ano que vem caso a gente não tenha uma nova onda pandêmica no nosso país”.

Inflação: grande desafio para 2022

A inflação no Brasil deve atingir, muito em breve, os dois dígitos: é o que indica o relatório Focus divulgado no fim de novembro pelo Banco Central. A projeção é que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) , em 2021, atinja 10,15%. O levantamento aponta ainda uma perspectiva de alta do PIB (Produto Interno Bruto), soma de todos os bens e serviços finais produzidos por um país deve ser de 0,58%; o índice anterior era de 0,70%.

Esses números tendem a impactar todos os setores, e refletir também na alta de preços, tão sentida em 2021. Uma melhora nesse sentido pode acontecer, fala o economista, no último trimestre do próximo ano.

Na visão de Cosentino, ações econômicas como a elevação da taxa Selic, a taxa básica de juros da economia, e os depósitos compulsórios (instrumento do Banco Central para garantir a segurança do sistema financeiro), não são eficazes para conter a inflação no Brasil.

“Essas medidas são eficazes para conter a inflação de demanda, quando há muito consumo e dinheiro. Nossa inflação hoje é estrutural. Compreendendo isso, os governos federais e estaduais podem gerar políticas que fomentem o setor empresarial no Paraná, que alivie as análises de crédito e desburocratize a abertura de empresas, para que se abram, por exemplo, novas vagas de emprego.

Copa e eleições 

Dois eventos também devem impactar a economia do Brasil e do Paraná no próximo ano: a Copa do Mundo no Catar e as eleições de 2022 para presidência, governo estaduais, senador e deputados estadual e federal.

Os eventos podem representar oportunidades para alguns setores, como o de comércio e bebidas, no caso da Copa do Mundo, mas resultar em apreensão em outros. O ano eleitoral, por sua vez, “traz um desafio a mais para o cenário, por conta da complexidade, incertezas e adiamento de decisões”, salienta.

Fonte: De olho no mercado

PRESSIONE AQUI AGORA MESMO E FALE JÁ CONOSCO PARA MAIS INFORMAÇÕES!

Deixe um comentário

Recomendado só para você
Se as expectativas dos clientes estão mudando, as empresas devem…
Cresta Posts Box by CP
Envie uma mensagem para nós!