Paraná: conheça os índices de novembro e a viabilidade de investir nesse estado

127 Escritorio Geraldo - GR Contábil
Classifique nosso post [type]

Dados são da Pesquisa Mensal do Comércio, divulgada nesta sexta-feira (14) pelo IBGE. As vendas no comércio varejista do Estado também aumentou 2,5% entre janeiro e novembro e 4,3% n o acumulado de 12 meses.

As vendas no comércio varejista paranaense avançaram 0,9% em novembro de 2021 na comparação com outubro, melhor resultado no mês na região Sul. As vendas no Estado naquele mês também superaram a média nacional, que fechou novembro com crescimento de 0,6%. Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio, divulgada nesta sexta-feira (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Um dos setores mais afetadas pelas restrições impostas pela pandemia, o varejo deu sinais de recuperação ao longo do ano passado. Entre janeiro e novembro, as vendas no Estado aumentaram 2,5% na comparação com os primeiros 11 meses de 2020. No acumulado dos últimos 12 meses – de dezembro de 2020 a novembro de 2021 – o comércio avançou 2,6% ante os 12 meses anteriores. Houve queda, porém, no volume de vendas em relação a novembro de 2020, com variação negativa de 4,3%.

A receita arrecadada em novembro foi 1,9% superior a outubro e 12,6% maior que em novembro de 2020. No acumulado do ano, a receita do comércio varejista aumentou 18% na comparação ao mesmo período do ano anterior, além de avançar 17,3% no acumulado de 12 meses.

O vice-governador Darci Piana salienta que o levantamento do IBGE vai na mesma linha do que já tinha sido observado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (FecomércioPR). “Estamos diante de um quadro de retomada do consumo pelas famílias paranaenses, o que a pesquisa do IBGE de novembro passado claramente aponta”, diz

“Embora as promoções da Black Friday não tenham surtido o efeito esperado pelo comércio varejista, sobretudo os setores livreiro e farmacêutico fizeram com que novembro de 2021 confirmasse a curva ascendente da retomada do consumo. Isso é bom para a economia, é bom para os cidadãos e é bom para o Estado”, afirma.

SETORES – As vendas de materiais de construção cresceram 3,6% com relação a novembro do ano passado, além de acumular alta de 8,6% entre janeiro e novembro e de 9,8% nos últimos 12 meses. É o segundo melhor resultado para o setor no País em todos os recortes, atrás apenas do Ceará.

Também avançaram, ante novembro de 2020, as vendas nos setores livros, jornais, revistas e papelaria (23,9%); artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (8,9%); tecidos, vestuários e calçados (4,9%); e de outros artigos de uso pessoal e doméstico (3,1%).

Nos demais setores analisados, os resultados foram negativos no período, com quedas no comércio de eletrodomésticos (-31%); móveis e eletrodomésticos (-26,7%); móveis (-21,1%); equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (-13,7%); combustíveis e lubrificantes (-9,6%); veículos, motos, partes e peças (-8,9%); hipermercados e supermercados (-3,5%); e hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-3,2%).

Entre janeiro e novembro, aumentaram as vendas de outros artigos de uso pessoal e doméstico (19,4%); artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (17,4%); veículos, motos, partes e peças (6,7%) tecidos, vestuários e calçados (13,9%); e livros, jornais, revistas e papelaria (4,5%).

Já a baixa no volume de vendas no período se concentrou nas lojas de eletrodomésticos (-11,3%); móveis e eletrodomésticos (-9,3%); móveis (-7,3%); equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (-7,1%); hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-5,7%); hipermercados e supermercados (-5,2%); e combustíveis e lubrificantes (-2,5%).

Por fim, no acumulado de 12 meses houve alta nas vendas de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (17,7%); outros artigos de uso pessoal e doméstico (16%); tecidos, vestuário e calçados (9,2%); veículos, motos, partes e peças (6,4%); e livros, jornais, revistas e papelaria (1,9%).

As baixas no período foram no comércio de eletrodomésticos (-10,1%); móveis e eletrodomésticos (-7,7%); equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (-6,9%); móveis (-4,9%); hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-4,9%); hipermercados e supermercados (-4,3%); e combustíveis e lubrificantes (-2,7%).

Fonte: AEN – Paraná

PRESSIONE AQUI AGORA MESMO E FALE JÁ CONOSCO PARA MAIS INFORMAÇÕES!

Deixe um comentário

Recomendado só para você
Os dados constam da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada…
Cresta Posts Box by CP
Envie uma mensagem para nós!